24/10/2008

intro



Como um recém nascido, um ingenuo Nicolau escreve na quieta noite da cidade.

As luzes já se apagaram, mas algo se acende. Um farol que ilumina um oceano sem navios, um inútil sinal de vida. Uma conversa que temos com as paredes, enquanto dormimos.